Capa / Notícias / Irmãos da Solidariedade Completa 28 Anos de Fundação e Fátima Castro Revela Tristeza Com o Crescimento da Aids Entre os Jovens.
Fátima Castro - Presidente Fundadora da Associação Irmãos da Solidariedade

Irmãos da Solidariedade Completa 28 Anos de Fundação e Fátima Castro Revela Tristeza Com o Crescimento da Aids Entre os Jovens.

Fátima Castro -  Presidente Fundadora da Associação Irmãos da Solidariedade
Fátima Castro – Presidente Fundadora da Associação Irmãos da Solidariedade

1476446_1388126141436029_1405148945_nHoje já não existe um sepultamento atrás do outro como se fosse um redemoinho a sugar vidas, afirma a presidente da Associação Irmãos da Solidariedade Fátima Castro referindo-se ao inicio de seu trabalho em 1988 quando não havia nenhum medicamento para combater a Aids e a perspectiva de vida de um paciente era de  seis a três anos.

A presidente relata que ciência trouxe aos soropositivos a oportunidade de viver e conviver com a Aids sem o prenúncio de morte anunciada.  Que a Aids já não é impedimento para sonhar, namorar, constituir família e ressalta que a Aids assusta, e é uma doença que ainda não tem cura. Ao definir o preconceito que existe contra o soropositivo ela  é categórica:

“O preconceito é uma das pragas que mexem com as estruturas físicas e emocionais do paciente. Fico decepcionada com a desfaçatez de alguns segmentos sociais que dão as costas para o paciente de Aids e o impede de viver plenamente. Não sei como algumas pessoas ainda desconhecem as formas de contagio do HIV e três décadas depois ainda são capazes de excluir de seu convívio um soropositivo. “

Fátima conta que nestes 28 anos à frente da Associação Irmãos da Solidariedade acompanhou a dor, o abandono e o recomeçar de muitos sonhos e de muitas vidas…. Ela acrescenta a alegria ter visto a medicina transformar a calamidade da Aids em milagre da vida. Porém, uma coisa a deixa triste, a banalização da Aids e o crescimento da transmissão do HIV entre os adolescentes.

“Acredito que os jovens estão banalizando a Aids não somente porque ela se tornou uma doença tratável, mas  porque eles não viram a cara da Aids, a dor, o desespero, a agonia e a morte dolorida de grandes ídolos da música, do cinema e da TV.  É preciso falar, demonstrar para os jovens que  Aids não é um simples resfriado ou uma virose que  você trata e fica sem sequelas… A Aids é um problema de todos nos, precisamos mostrar a estes jovens o outro lado da Aids. Já passou a hora de acabarmos com velhos hábitos para neutralizarmos  velhas culturas de que sexo com camisinha é a mesma coisa de que “chupar  bala com papel” “. Finaliza