Capa / Mais notícias / IAS 2017: Anel vaginal com antirretroviral pode proteger mulheres do HIV

IAS 2017: Anel vaginal com antirretroviral pode proteger mulheres do HIV

Um anel vaginal pode ser uma nova arma para combater o avanço do vírus HIV entre a população feminina. Hoje, adolescentes e mulheres entre 15 e 24 anos respondem por cerca de um quinto de todas as novas infecções. Em testes, ele foi capaz de reduzir os riscos de contágio em 56%. Os resultados foram apresentados nesta terça-feira (25), na 9ª Conferência Internacional em Ciência do HIV, que acontece em Paris.

“Se você puder dar às mulheres a oportunidade de se protegerem numa forma completamente confidencial, será um grande passo para ajudá-las”, comentou Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA, em entrevista à BBC. “Em sociedades onde as mulheres são, infelizmente, são tratadas como cidadãos de segunda classe, elas são extremamente vulneráveis a serem infectadas com HIV”, continuou.

O anel vaginal é flexível, do tamanho dos diafragmas usados como anticoncepcionais, e é colocado no colo do útero. Ele libera uma droga antirretroviral, chamada dapivirina, que atua no organismo durante o período de um mês, quando ele deve ser substituído.

No mais recente experimento, os cientistas testaram a adoção do método por adolescentes americanas. Durante seis meses, 96 garotas sexualmente ativas, entre 15 e 17 anos, fizeram uso do anel. Os resultados mostraram que 87% delas tiveram níveis detectáveis da droga na vagina, 74% disseram não perceber o anel no dia a dia, e 95% consideraram o anel de fácil uso.

Existia a preocupação antes dos testes se os parceiros das meninas gostariam ou não do anel, mas eles relataram aumento do prazer. “O HIV não distingue entre uma menina de 16 anos e uma mulher de 18”, disse Sharon Hillier, da Universidade de Pittsburgh. “Acesso a métodos de prevenção ao HIV seguros e efetivos também não deveriam, jovens mulheres de todas as idades devem ser protegidas.”

Agora, os pesquisadores planejam testes com adolescentes na África, continente mais atingido pela epidemia global do HIV/aids. Caso o anel vaginal consiga aprovação regulatória, ele será o primeiro método de prevenção exclusivamente para mulheres.

Fonte : O Globo